Ethereum atinge marca de 1 milhão de tokens queimados desde agosto

A rede Ethereum atingiu a marca de um milhão de Ether (ETH) queimados nesta quarta-feira (24). O valor total já supera precisamente 1.002.228, conforme dados da plataforma Watch The Burn.

No mesmo período, cerca de 1.492.608 ETH foram emitidos, o que dá um total líquido de pouco mais de 490 mil ETH neste período. Em outras palavras, a rede destruiu o equivalente a cerca de R$ 24 bilhões em ETH.

Relação entre ETH emitidos e queimados desde agosto. Fonte: Watch the Burn.

A marca histórica ocorreu exatamente às 10h02 desta quarta, no bloco 13.677.339, quando a rede atingiu a marca de 1.000.001 de ETH queimados. O evento foi registrado ao vivo na live diária do canal BitNada, criado por Felipe Escudero.

Este é o segundo feito histórico registrado ao vivo pelo canal, que também acompanhou a chegada do Bitcoin (BTC) aos US$ 20.000. Felipe Escudero, criador do BitNada, comemorou a marca de 1 milhão juntamente com seus seguidores.

“Momento histórico. Finalzinho do ano, mais de 1 milhão de ETH queimados! Parabéns a todos os envolvidos e obrigado por terem acompanhado ao vivo este momento histórico”, disse Escudero.

Primeira marca histórica da EIP-1559

A marca de um milhão de ETH queimados demonstra o sucesso da EIP-1559, implementada em 5 de agosto. Um dos objetivos, de acordo com a proposta, era justamente controlar a emissão de ETH, que antes disso não possuía nenhum limite de emissão.

Nesse sentido, a EIP-1559 instituiu uma taxa básica paga pela rede. Mas ao contrário do que acontecia antes, esta taxa não é mais paga aos mineradores, mas parte dela é retirada de circulação. Esta retirada e consequente inutilização dos ETH recebeu o nome popular de “queima de tokens”.

A mudança foi projetada para diminuir a taxa de emissão do token e aumentar seu preço, ao mesmo tempo que alivia alguns dos piores elementos de congestionamento da rede. Com a EIP, os tamanhos dos blocos também foram aumentados, visando incluir mais transações.

Conforme destacado no início do texto, a rede Ethereum emitiu quase 1,5 milhão de novos ETH desde a implementação da EIP. Mas como 1 milhão deles foram queimados, menos de 500 mil foram de fato distribuídos aos mineradores. Esta foi a quantidade de tokens que de fato entrou em circulação no mercado.

Dessa forma, a ETH não se tornou deflacionária como previa a EIP, mas sua oferta líquida cresceu a uma velocidade muito menor. Ao mesmo tempo, a demanda pela ETH aumentou, o que resultou num aumento no preço do token. Desde 5 de agosto, o preço da ETH saiu de US$ 2.710 para os atuais US$ 4.230, mas chegou a atingir US$ 4.844 – sua máxima histórica – em 10 de novembro.

Valorização da ETH desde implementação da EIP-1559. Fonte: CoinMarketCap.

Taxas seguem elevadas

A EIP-1559 também prometia a redução nas taxas de transação da rede Ethereum, conhecidas por atingir somas estratosféricas em momentos de estresse. Esses aumentos repentinos chegavam a tornar o uso do Ethereum inviável, sobretudo para realização de pequenas transações.

No entanto, esta promessa ainda não foi totalmente cumprida, de acordo com dados do explorador de blocos Etherescan. O preço médio para realizar uma transação com tokens ERC-20 pode chegar a US$ 48,13, (R$ 269,04).

Para negociações nas exchanges decentralizadas (DEX), os valores são ainda mais salgados. Operar na Uniswap, maior DEX do Ethereum em volume total, pode custar até R$ 724,40 apenas em taxas de transação.

Curiosamente, a Uniswap realizou a terceira maior queima de ETH entre as plataformas que utilizam a rede, com quase 90.000 ETH queimados.

Valor das taxas de transação do Ethereum. Fonte: Etherscan.

Leia também: “Criptomoedas” é um dos temas de finanças mais falados no Twitter, mostra levantamento

Leia também: ‘NFT’ é eleita a palavra do ano do Dicionário Collins, desbancando ‘cripto’ e ‘metaverso’

Leia também: B3 analisa possibilidade de lançar futuros de criptomoedas

VER ARTIGO ORIGINAL